Natal (pequeno estudo)


O natal é uma festa dita cristã onde comemora-se a data do nascimento de Jesus Cristo de Nazaré. Chama-se o natal de “festa dita cristã” porque na verdade não é cristã e nem foi uma festa, ou dogma, ou doutrina, instituída pelo Cristo. Na verdade é uma festa pagã em homenagem ao deus sol dos povos pagãos, adquiridos pelos Romanos, que comemorava-se sempre no dia 25 de dezembro.

Visando “facilitar as coisas” e agradar a todos seguidores da fé católica na antiguidade, que também seguiam as festas e deuses pagãos, a igreja católica através do Papa Júlio I, em 324 d.C., resolveu “cristianizar” tais festas pagãs instituindo o dia 25 de dezembro como nascimento de Jesus Cristo, chamando esta data de natal que é uma palavra originada do latim e significa nascimento. Portanto é um arranjo ou uma mentira instituída propositalmente com uma finalidade específica. Jesus Cristo não nasceu em 25 de dezembro, sendo que a data correta de seu nascimento não se sabe ao certo e não se tem relato confiável, mas diversos estudiosos e pesquisadores chegam a concordar que pode ser em agosto.

De qualquer forma, é certo afirmar que o natal se tornou uma tradição de comemoração e reunião familiar onde lembra-se que nasceu Jesus Cristo em Belém da Judéia para evangelizar a humanidade com suas boas novas sobre a nova aliança de Deus com os homens por intermédio do Cristo, com a finalidade de resgatá-los da morte eterna e dá-los a salvação e a vida eterna através de sua doutrina e de sua obra na cruz do calvário.

Como o que importa verdadeiramente é a intenção do coração (mesmo que este seja enganoso – Jeremias 17-9), que o mais importante é como as coisas terminam e não como começam, que o erro da mentira foi da igreja católica e de seu papa Júlio I, que onde estiverem dois ou mais reunidos em nome de Jesus Cristo ele estará ali (Mateus 18:20), podemos concluir que tal data de 25 de dezembro para o Natal de Jesus (nascimento) e para um momento de confraternização das famílias, pode ser válido e até muito proveitoso no sentido da comunhão, do amor e da lembrança que um dia nasceu o salvador dos homens Jesus Cristo de Nazaré.

A questão são os fariseus dos tempos modernos, que por muito lidarem com as leis, acabam tendo seus entendimentos obscurecidos pelo seu legalismo religioso e ficam incapazes de escutar o Espírito de Deus que vivifica, estando já mortos pela letra que mata (2 Coríntios 3 : 6). Desta forma, começam a oprimir e a cobrar atitudes que julgam procedentes aos cristãos diante da lei, extraindo textos fora do contexto da Palavra de Deus para justificar suas doutrinas e seus entendimentos obscuros.

Os fariseus da modernidade exigem dos cristãos que esqueçam o natal de 25 de dezembro porque é uma mentira, que não façam suas árvores julgando que elas representam os antigos atos pagãos que dependuravam em árvores as cabeças de pessoas sacrificadas aos deuses pagãos daquela época, que Papai Noel não existe (como de fato) e que representa São Nicolau que é uma idolatria, que não se distribua presentes porque os pagãos também faziam isso naquela época e por aí vai! Eu pensei desta forma por muito tempo, como um bom e honesto fariseu que era. Aprendera estas coisas e queria fazer tudo da forma mais correta, pois sempre foi meu intuito a santificação e o honrar a Deus.

Mas estudando a Palavra de Deus, comecei a discernir as coisas de forma mais clara e verdadeira. Aconteceu comigo como aconteceu com o Apóstolo Paulo que era fariseu e perseguia os cristãos em nome da lei de Deus, mas deixou de fazer isto quando se encontrou com Jesus no caminho de Damasco e se converteu à Ele quando foi iluminado pela luz que o deixou cego temporariamente (Atos 22: 1 a 15). Antes eu recebia as doutrinas humanas e apesar de sempre ler a Palavra de Deus, não fazia como os judeus de Beréia que a tudo conferiam com a Palavra de Deus para tirar a prova. Eu sempre aceitei as doutrinas e os ensinos humanos sem questionar, até pelo medo de errar com Deus, da rejeição ou da excomunhão. Atualmente, como recebi de Deus a graça de evoluir em sua Palavra e por isso seri curado de meus medos, aprendi que basta o amor e o que está sinceramente no coração.

Por causa do amor e da luz que nos salta aos olhos da Palavra de Deus, compreendi com lucidez sobre o natal e o dia 25 de dezembro. Voltei a fazer minha árvore, a comprar os presentes para quem amo, a desejar a ceia e a confraternização com a família. Deixei de cobrar dos irmãos algo que eu não tinha o direito, porque este assunto é totalmente irrelevante para o caminhar verdadeiro com Cristo. Para caminhar com Jesus o que importa sempre, em primeiro lugar, é o amor a Deus e o amor ao próximo. Se a pessoa não tiver isto bastante solidificado em sua vida, todo resto se torna anátema.

Mesmo sendo a origem do natal de 25 de dezembro algo pagão que foi firmado numa mentira, como já disse, não importa como as coisas começam, importa é como elas acabam. O que eu vejo é que o Natal acabou se tornando um momento de comemoração da paz, do amor e da celebração familiar, onde todos se recordam que nasceu aqui na terra o filho de Deus em carne e sangue, o redentor, o messias que trouxe a vida, a libertação e a salvação. O natal de tornou a marca registrada da alegria familiar, onde uns se lembram dos outros e por isso se presenteiam, se deslocam para se ver e matar a saudade, reúnem-se para cear juntos e distribuir amor, perdão e amizade. O natal se tornou válido!

Deus vê é o coração de cada um, assim, quando alguém está montando uma árvore não está pensando nas cabeças das vítimas que eram colocadas nas árvores das festas pagãs, mas está pensando no símbolo do natal e na árvore cheia de presentes para as crianças ávidas por recebê-los e curtir a alegria. Quando alguém enfeita uma árvore esta sonhando com a família reunida em torno dela, dando e recebendo amor e alegria. Quem pensa no natal almeja a noite da ceia e da alegria familiar. Quando alguém dá um presente não pensa em nenhum ato pagão, mas na alegria de quem vai receber aquele presente, e isso, é amar.

Precisamos parar com tanta cobrança, com tanta religiosidade, com tanto misticismo, com tanta desunião, facção e partidarismo. Precisamos interromper a criação e a imposição de tantas doutrinas de homens, que somente servem para matar a alma humana e separá-la de Deus e de seus irmãos. Precisamos ser mais compreensivos e entender as coisa como elas realmente são à luz da Palavra de Deus. Se a palavra de Deus não condena diretamente e com clareza tal coisa, nós não temos o direito de fazê-lo! Mas se a Palavra de Deus proíbe com veemência e clareza alguma coisa, aí sim, devemos respeitar e não fazer tal coisa. Fora isso é farisaísmo e religiosidade, é ideia de homem e não de Deus.

Por causa de tanta divisão, cobranças, falta de amor e compreensão, é que o natal vem a cada dia se tornando data de concorrência entre as famílias, data de tristeza, de depressão e desunião. Alguns sentem profunda tristeza nesta data e chegam até ao suicídio, aí, os fariseus, embotados em seu entendimento, levam a coisa para o lado do misticismo e começam a devanear quando afirmam que a tristeza que ronda o coração de alguns nesta época do natal é causado por um espírito maligno das trevas que impera nesta data, bobagem! Maior é Jesus do que todas estas coisas quando em qualquer data ou situação existe amor, comunhão e paz familiar.

É possível reverter a tristeza e a confusão que se estabeleceu para alguns em torno do natal. Sabendo-se que tudo começou com uma mentira e que os que a implantaram darão contas a Deus de seus erros, podemos abençoar esta data como filhos de Deus em nome de Jesus e fazer do 25 de dezembro como uma data escolhida pelos cristão para comemorar o dia que nasceu Jesus Cristo aqui nesta terra. Por causa disso podemos ter vida e paz entre todos os homens, e mais, podemos celebrar como família nesta data o amor, o carinho, a unidade e a alegria. Podemos nos presentear sim uns aos outros, relevando que também existe um apelo comercial nesta data, e declarar que nos amamos, sentando todoas ao redor de uma linda mesa muito bem preparada e cear como família. Isso fortalecerá os laços familiares, principalmente nestes dias onde tudo se levnta contra a família tradicional na forma da Palavra de Deus.

Assim cada família comemore o seu natal com muita paz, amor e alegria. Que se tenha discernimento sobre todos simbolos do natal (clique), que se prevaleça a verdade e que todos saibam dela. Que se conheça que esta data de 25 de dezembro é uma escolha, que Papai Noel e seus duendes são um mito do folclore popular e por aí vai. Cada família faça como melhor lhe aprouver, dentro da verdade e da palavra de Deus, para que a cada natal tudo seja um milagre do amor, da unidade e da confraternização.

UM FELIZ NATAL PARA TODOS! COM MUITO AMOR, PAZ, UNIÃO E CELEBRAÇÃO FAMILIAR!

 

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário